segunda-feira, 31 de julho de 2017

O Escravo de Capela - Marcos DeBrito #15

Marcos DeBrito é um Diretor de filmes e decidiu entrar no mundo da literatura, dito ele mesmo que quando escreve é muito focado e é como podemos ver com a obra de “O Escravo de Capela” fica nítido que ele fez uma pesquisa bem precisa sobre a aterrorizante época da Escravocrata do Brasil colonial.
A história gritante por liberdade é baseada em uma crença africana  e portuguesa que  deram origem a algumas das lendas mais populares de nosso folclore, capuz  cheio de sangue,  sua marca mais conhecida e sua perna arrancada brutalmente.
Receio se você está lendo antes de dormir ficará pertubado, acabaremos nos apaixonando profundamente pelo terror brasileiro. Este livro da pra abrir um leque e escolher onde você vai ficar mais apaixonado só não sei se vai ser fácil decidir, é terror e aceleração a todo momento, nos faz suspirar, suar frio pelas atrocidades ocorridas na fazenda mas é isso que torna o livro incrível e no meio disso tudo temos um romance e uma voz gritante pela liberdade que percorre da primeira até a última página.
A qualidade de escrita do Escritor é muito grande pelo fato de te fazer querer saber mais e mais a cada página, as pessoas que me conhecem sabem que amo terror e sou bem sincera quando o terror é ruim mas esse te faz arrepiar.
Fora que você cria um apego com os personagens, o trama se desenvolve quando um escravo novo chega na fazenda capela e já mostrando sua rebeldia ele é castigado no primeiro dia, dava pra ver no olhar dele que não aceitava aquela realidade que foi imposta a ele, logo no capítulo de número 2,  Sabola Citiwala entra na história e muda tudo, com a ajuda de Akili, Sabola acaba desenvolvendo um plano de fuga ao qual faz tudo para que de certo enquanto o dia de liberdade não acontecia Sabola era obrigado a sofrer os maus tratos que os Cunhas Vasconcelos praticavam.
O chefão da fazendo tinha dois filhos o Inácio e o Antônio totalmente diferentes sempre acabam discutindo por não ter opiniões e focos iguais, Antônio desde pequeno cuidava da fazenda e ficava andando para todos os lados atrás dos capangas e então aprendeu  todas as técnicas e acabou desenvolvendo um gosto peculiar pela agressão e perversidade.
Inácio era totalmente diferente com seu ar doce e amoroso, sempre ganhou a atenção e amor de todos principalmente das escravas que o cuidavam, tinha uma jovem chamada Damiana que se criou com ele, mas eram de mundos diferentes a jovem era escrava e ele um dono da fazenda, acabou se formando em medicina e sempre foi daqueles de mergulhar nos livros.
Desde aquela época já existia algo a mais na relação dos dois e então quando Inácio voltou para a fazenda, todos os sentimentos voltaram com ele.
Mas a parte mais agoniante de todas é as atrocidades que os escravos passam, logo no começo você já começa a perceber que o Antônio consegue ser odiado por todos e de todas as maneiras, ele é o que mais machuca os escravos sem sentir um pingo de arrependimento, tem prazer em fazer o próximo sentir dor.
O terror sendo meu preferido entre todos os gêneros Marcos DeBrito está de parabéns por ser Brasileiro e fazer um livro tão arrepiante, todas as páginas sangrentas demais que vai te fazer se apaixonar pela história e que também vai te trazer muito conhecimento sobre como era o Brasil Colonial da época da Escravocrata.
Agora para saber oque aconteceu com Sabola você vai precisar comprar o livro e descobrir o final tão aterrorizante.

NOTA DO RESENHISTA:
“Eu como apaixonada por terror que sou, me encantei com a obra de Marcos DeBrito, não conhecia nada sobre ele antes mas os livros estão de parabéns e não bastava ser só um Escritor brilhante Marcos DeBrito faz filmes incríveis e aterrorizantes, procurem saber mais sobre este gênio do terror.”

BOA LEITURA!

Nenhum comentário:

Postar um comentário